domingo, 27 de maio de 2012

ONDE JUNTAR TESOUROS...


Paz seja convosco! 
O artigo a seguir foi tirado do blog: http://mensagensepregacoes.blogspot.com.br


O QUE REALMENTE IMPORTA
É VOCÊ JUNTAR UM TESOURO NO CÉU
DOANDO A SI MESMO NA TERRA.

Refletiremos sobre as afirmações de Jesus a respeito de como devemos nos relacionar com o dinheiro e com as posses.

Pode parecer surpreendente para alguns que Cristo tenha-se preocupado com isso, já que muitos vêem o evangelho como uma alienação da vida. Mas a verdade é que há inúmeras referências sobre o assunto. Vamos juntos o texto que servirá de base para nós essa noite.


(19) Não ajunteis para vós tesouros na terra; onde a traça e a ferrugem os consomem, e onde os ladrões minam e roubam; (20) mas ajuntai para vós tesouros no céu, onde nem a traça nem a ferrugem os consumem, e onde os ladrões não minam nem roubam. (21) Porque onde estiver o teu tesouro, aí estará também o teu coração. (22) A candeia do corpo são os olhos; de sorte que, se os teus olhos forem bons, todo teu corpo terá luz; (23) se, porém, os teus olhos forem maus, o teu corpo será tenebroso. Se, portanto, a luz que em ti há são trevas, quão grandes são tais trevas! (24) Ninguém pode servir a dois senhores; porque ou há de odiar a um e amar o outro, ou há de dedicar-se a um e desprezar o outro. Não podeis servir a Deus e às riquezas. (Mat 6:19-24)


Em nossos dias, o evangelho de Cristo tem sido manipulado para atender as necessidades e expectativas das pessoas. Há uma espécie de acordo entre alguns pregadores e suas igrejas: eu falo o que você quer ouvir e você ouve aquilo que eu falar. O Apóstolo Paulo alertou o jovem pastor Timóteo sobre esses tempos:


(3) Porque virá tempo em que não suportarão a sã doutrina; mas, tendo grande desejo de ouvir coisas agradáveis, ajuntarão para si mestres segundo os seus próprios desejos, (4) e não só desviarão os ouvidos da verdade, mas se voltarão às fábulas. (5) Tu, porém, sê sóbrio em tudo, sofre as aflições, faze a obra de um evangelista, cumpre o teu ministério. (2Ti 4:3-5)

Alguns transformaram o evangelho em uma negociata com Deus, onde os céus são intimados, sob ameaça, para fazerem prosperar os negócios particulares daqueles que se acham com o direito de processar o Senhor, caso Ele não cumpra as promessas que eles imaginam ter o direito de receber.


Para esses, talvez Jesus dissesse: não coloque a posse de bens como uma prioridade em sua vida, porque “A vida de um homem não consiste na abundância dos bens que ele possui.”.


Outros praticam um evangelho desencarnado, em que a fé está tão divorciada da vida prática que ficam desconfiados (e até escandalizados) quando o assunto da pregação é dinheiro. Para esses, não há qualquer conexão entre seguir a Cristo e a forma como eles administram seus bem e recursos. Uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa.


Para esses outros, talvez a fala de Jesus fosse: não tente separar aquilo que na verdade está junto, porque “Onde estiver o teu tesouro, aí estará também o teu coração.”.


A verdade, é que o Senhor não faz negociata com ninguém, mas tem muito a dizer (e a esperar de nós) em relação ao dinheiro, seu uso e seu valor. Você não pode dizer-se um discípulo de Cristo sem que essa área de sua vida tenha sido tratada por Ele.


Aqueles que recebem a Cristo como Senhor e Salvador precisam fazer ajustes em sua maneira errada de lidar com o dinheiro, da mesma maneira que promovem ajustes em relação a outros pecados de sua vida.



Ajuntando Tesouros


A raça humana tem o hábito de juntar tesouros. Fazemos isso por causa do nosso medo sobre o futuro e da insegurança sobre continuidade da vida. Sentimentos que parecem fazer parte permanente de nossas vidas. Desde que abandonamos a segurança do Éden, não conseguimos nos sentir seguros em nenhum lugar ou circunstâncias. Os tesouros, então, são formas de nos sentirmos seguros e protegidos.


Dinheiro e posses são capazes de transmitir essa sensação de segurança. Quem tem apenas o necessário para viver, normalmente se sente inseguro, mas quem tem sobrando sente-se melhor e mais seguro para enfrentar qualquer eventualidade. Quanto mais sobrar, mas nos sentimos seguros. Certa vez Jesus contou uma história que ilustra isso:


E deu um exemplo: Certo homem rico possuía uma propriedade fértil que dava boas colheitas. Assim os seus celeiros ficaram a transbordar, e não podia guardar tudo lá dentro. O homem pôs-se a pensar no problema. Por fim, exclamou: 'Já sei, vou deitar abaixo os celeiros e construir outros maiores. Assim terei espaço suficiente. Depois direi comigo mesmo: 'Amigo, armazenaste o bastante para os anos futuros. Agora, repousa e come, bebe e diverte-te.' (Lucas 12: 16-19 – OL)

• O dinheiro não dá saúde para ninguém, mas compra os remédios;

• O dinheiro não proporciona um lar, mas permite compra uma casa;
• O dinheiro não torna ninguém amigo, mas atrai as pessoas à sua volta;
• O dinheiro não mata sua sede ou sua fome, mas lhe permite comprar comida e bebida;
• O dinheiro não estabelece a união de uma família, mas é capaz de unir a família em torno de si mesmo (por um tempo).

O Senhor Jesus sabe que nossa natureza humana, o nosso afastamento voluntário de Deus por causa do pecado, nos tornou pessoas que precisam de um tesouro para se sentirem seguras. Se não, uma sensação de vulnerabilidade nos invade. É nesse ponto que a sabedoria do Filho de Deus se revela. De forma misericordiosa e reconhecendo nossas limitações, Ele nos afirma:


(19) Não ajunteis para vós tesouros na terra; onde a traça e a ferrugem os consomem, e onde os ladrões minam e roubam; (20) mas ajuntai para vós tesouros no céu, onde nem a traça nem a ferrugem os consumem, e onde os ladrões não minam nem roubam. (21) Porque onde estiver o teu tesouro, aí estará também o teu coração.


O Senhor sabe que há uma ligação direta entre o tesouro e o coração e por isso ele se preocupa sobre onde está o nosso tesouro.


Onde está o seu tesouro? Onde está o que lhe dá segurança? Onde está o que lhe tranqüiliza a alma?


Um dos personagens mais conhecidos das revistas em quadrinhos é o Tio Patinhas. Um dos esportes preferidos dele era mergulhar em piscina de moedas de ouro. Nos filmes, é comum ver ladrões espalharem o resultado de seus assaltos em cima da cama e rolarem por cima do dinheiro. É possível que haja algum prazer nisso, mas não é esse o tipo de satisfação que o Senhor preparou para nós.


Nós nos ligamos emocionalmente com qualquer coisa que nos dê segurança. Mas Deus não nos criou para sermos íntimos de coisas ou do dinheiro. Isso nos desumaniza. Isso é contrário à intenção de Deus, que nos criou à sua imagem e semelhança, com personalidade para relacionarmos e interagirmos com Ele com as pessoas.


Quando o nosso tesouro está nos bens e no dinheiro nós nos tornamos pessoas ansiosas, porque a qualquer momento o dinheiro pode ser roubado, os bens podem se desvalorizar, as roupas podem ser manchadas, as jóias podem perdidas, o carro pode ser batido ou riscado, a casa pode ser assaltada e aí, junto com o seu “tesouro” você perderá também o seu coração, seu ânimo, sua vontade de viver.


Deus lhe fez para que sua alma encontre descanso em um relacionamento como Ele, não com os bens que você pode obter ou com o dinheiro. Por isso, o nosso tesouro deve estar Nele. Onde está o seu tesouro? Não tenha dúvidas, que ali estará também o seu coração!

Dois Senhores

Jesus sempre procura explicar as verdades espirituais de uma forma que fossem compreendidas pelas pessoas mais simples. Ele era um mestre em usar ilustrações do dia-a-dia de uma maneira que profundas verdades espirituais se tornavam facilmente percebidas. Em relação ao Dinheiro, Cristo também usou desse artifício.


Uma das perguntas que nasceram no coração daqueles que ouviram Jesus falar sobre juntar tesouros no céu e não terra, provavelmente era: Mas será que isso não é um exagero?! Será que não dá pra ser uma coisa, assim, mais equilibrada?! Será que eu não posso dividir o meu tesouro?! Assim eu coloco 90% no céu e uns 10% aqui na terra.


Cristo, então, responde e diz o seguinte:


(24) Ninguém pode servir a dois senhores; porque ou há de odiar a um e amar o outro, ou há de dedicar-se a um e desprezar o outro. Não podeis servir a Deus e às riquezas. (Mat 6:19-24)

É impressionante! Jesus trata o dinheiro como se ele tivesse personalidade. O tesouro, juntado à revelia de Deus em busca de segurança, agora assume uma personalidade e passa a fazer exigências daquele que o possui.


Assim como uma pessoa não pode ser escravo ou servo de dois senhores (porque ficaria em conflito ao tentar atender a vontade dos dois), da mesma maneira não é possível viver em paz tentando ao mesmo tempo juntar tesouros nos céus (buscar segurança em Deus) e na terra (buscar segurança no dinheiro e nas posses)


Na verdade Jesus está afirmando que o tesouro que antes você imaginava que iria lhe uma pessoa segura e tranqüila, agora pede que você o ame, que se dedique a ele e que o sirva.


Como, então você vai conciliar isso? Como você vai dividir o seu amor, sua dedicação e seu serviço entre Deus e as riquezas? Não haverá paz enquanto você tenta agradar os dois.


João Crisóstomo, um dos pais da igreja afirmou o seguinte sobre esses dois senhores:


Um pede que você roube os bens alheio, outro que você entregue os seus próprios bens; Um te conduz à glutonaria, o outro à abstinência; Um te inspira a amar as coisas presentes, o outro te orienta a desprezá-las; Como poderá unir duas coisas tão opostas?


É preciso destacar que dinheiro e posses não são males em si mesmos. Por exemplo, o mesmo dinheiro que é usado no tráfico de drogas, uma vez apreendido pela polícia, pode ser usado para construir orfanatos e escolas; o carro usado para seqüestrar um pai de família pode ser usado para levar uma criança ao hospital.


Mas Jesus alerta que o dinheiro e as riquezas podem controlar sua vida se você os transformar em seus tesouros. Aí, em vez de possuí-los, você será possuído por eles. Para que você possua dinheiro e bens, sem ser controlado por eles, é preciso que o seu tesouro esteja 100% nos céus.


Todos devem almejar uma vida digna, mas a Bíblia faz alguns alertas àqueles que vivem em busca da riqueza, da opulência, do possuir coisas como uma meta de vida.


(4) Não te fatigues para enriqueceres; e não apliques nisso a tua sabedoria. (5) Porventura fixarás os teus olhos naquilo que não é nada? Porque certamente criará asas e voará ao céu como a águia. (Prov 23:4,5)

(9) Mas aqueles que querem a todo o custo enriquecer, sujeitam-se às armadilhas do pecado e às solicitações para o mal; tornam-se vítimas de paixões tão loucas como prejudiciais, e que sempre precipitam as pessoas na ruína e na perdição. (10) O amor ao dinheiro é a raiz de todos os males; e por causa disso já muitos se desviaram do caminho da fé, criando assim nas suas vidas muitas aflições e sofrimentos. (11) Mas tu, que és um homem de Deus, foge destas coisas, e segue a justiça, o caminho de Deus, a vida da fé, o amor cristão; aprende a ser perseverante e bondoso. (1 Tim 6:9-11)
Possuindo o Dinheiro

É possível tem dinheiro e posses e ainda assim ser um servo de Deus? Sim, é perfeitamente possível. Mas é preciso sair da posição de servo do dinheiro e transforma-se em senhor dele.


Juntar tesouros nos céus


Quando você considera que o que realmente importa em sua vida é agradar a Deus e fazer a vontade dele, tudo o mais perde valor, inclusive o dinheiro. Juntar tesouros nos céus é aprender a usar uma escala de valores coerente com a sua posição de servo de Deus.


Nessa escala, por exemplo, as pessoas são mais importantes do que os bens e o dinheiro. Por isso você não hesitará em usá-los em benefício de outras pessoas.


• Você terá a coragem de poupar um pouco do seu dinheiro e usá-lo apadrinhar crianças carentes.

• Você doará para quem precisa as roupas e os sapatos que, embora em bom estado de conservação, não são mais usados.
• Você optará por uma vida mais simples em vez de sacrificar o tempo em família para ganhar uns trocados a mais no final mês.

Viver uma vida simples

Um outro jeito de tornar-se senhor do seu dinheiro e viver uma vida simples. Viver uma vida simples não é viver na miséria ou na pobreza, mas ter desejos simples. Uma vida simples cultivar o contentamento.


Há pessoas que vivem descontentes e insatisfeitas em qualquer situação. Se não tem o que comer, reclamam. Se tiverem o que comer, mas não é que queriam, reclamam. Se comerem o que querem, mas não é o tanto que queriam, reclamam. Se comerem o que querem na quantidade que querem, arranjam uma outra coisa para reclamar. Isso vale não só para a comida.


Disse-lhes Jesus: A minha comida é fazer a vontade daquele que me enviou, e completar a sua obra. Joh 4:34


(41) Respondeu-lhe o Senhor: Marta, Marta, estás ansiosa e perturbada com muitas coisas; (42) entretanto poucas são necessárias, ou mesmo uma só; e Maria escolheu a boa parte, a qual não lhe será tirada. (Luc 10:41,42)

(11) Não digo isto por causa de necessidade, porque já aprendi a contentar-me com as circunstâncias em que me encontre. (12) Sei passar falta, e sei também ter abundância; em toda maneira e em todas as coisas estou experimentado, tanto em ter fartura, como em passar fome; tanto em ter abundância, como em padecer necessidade. (13) Posso todas as coisas naquele que me fortalece. (Fp 4:11-13)

Alguns conselhos práticos:


• Não valorize demais o seu conforto pessoal (alimentos caros, roupas finas, aparelhos diversos...).

• Trate depressão e desânimo com oração e não com um tarde no shopping.
• Aprenda a dizer não para os desejos de seus filhos. Nem sempre é melhor dar o melhor.
• Aprenda a usar sem desperdício (alimentos e item de consumo).
• Seja generoso, mas não esbanje em generosidade.
• Abra mão de usar o dinheiro como afirmação social.

Usar dinheiro e bens para a glória de Deus

Você se torna senhor do seu dinheiro quando o usa para que Deus receba a glória. Ele recebe glória quando o dinheiro é usado para fazer o seu reino avançar. Há muitas maneiras de fazer o reino de Deus avançar, mas uma delas é o sustento regular das necessidades da igreja.


O dinheiro que é devolvido ao Senhor para ser aplicado no avanço da obra de evangelização é uma expressão de confiança no suprimento que vem das mãos do Senhor. Quando você retém essa entrega, você atrasa os passos que poderiam ser dados para o crescimento do reino de Deus.


Lembre-se que aquilo que você possui, possui por empréstimo do Senhor. Nada é definitivamente seu e por tudo deve ser colocado de forma voluntária à disposição para suprir as necessidades da obra.


(6) Lembrem-se disto: o que semeia pouco, pouco também ceifará; o que semeia em abundância, abundância também ceifará. (7) Cada um contribua segundo propôs no seu coração. Não como uma obrigação, porque Deus ama quem dá com alegria. (8) Deus pode bem abençoar-vos de tal maneira que tendo sempre, em tudo, aquilo que vos é preciso, possam ainda ajudar generosamente os outros. (9) É como dizem as Escrituras: Repartiu liberalmente os seus bens com os necessitados. A justiça que ele praticou terá efeitos que nunca mais passarão.(10) Porque Deus, que dá a semente para o lavrador plantar, e depois o fruto para se alimentar, também vos dará os meios para que a vossa sementeira se multiplique em frutos de justiça. (11) Sim, Deus vos dará muito para que possam dar muito, para que pela vossa liberalidade, posta em ação por nosso intermédio, sejam dados louvores de gratidão a Deus. (12) São assim dois os bons resultados da vossa generosidade: contribuir para a satisfação das necessidades dos crentes em Jerusalém e suscitar louvores a Deus. (2 Coríntios 9:6-12)

Seu compromisso de contribuição é o que sustenta o avanço da obra de Deus. Veja que se você não contribuir, o Senhor ainda assim providenciará o que for necessário, mas você perderá a bênção de ser um instrumento nas mãos dele.

Conclusão

Ponha o dinheiro e as posses no seu devido lugar. Torne-se senhor deles.


• Não junte tesouros na terra, junte tesouros no céu.

• Viva uma vida simples
• Use seu dinheiro para a glória de Deu.


Um comentário:

  1. Louvado seja nosso Senhor Deus por nos proporcionar tanto amor e dedicação a todo momento pelos seus ensinamentos...

    ResponderExcluir